Terreno do Palácio da Liberdade é devolvido à cultura com a mudança da triagem da Polícia Civil
30/06/2022 - 10:29

 

A retomada da totalidade do terreno do Palácio da Liberdade, que foi doado ao Estado do Paraná pela União em 2003, é uma reivindicação histórica da Secretaria da Comunicação Social e da Cultura. Parte significativa vinha sendo ocupada pela triagem da Polícia Civil, com o prédio do Palácio da Liberdade e seus arredores imediatos ocupados pelo Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR). A partir de um termo de cooperação entre a Secretaria de Segurança Pública (SESP) com o Tribunal de Justiça, para a construção de uma central de custódia no Tarumã, o MIS-PR terá a totalidade dos 4.025m² para seu uso exclusivo. A obra tem o prazo de 60 meses de execução para entrega.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior anunciou a criação da Casa de Custódia e a transferência gradual nessa quarta-feira (29). Com essa transferência, o MIS-PR vai retomar, gradativamente, todo o espaço do Palácio da Liberdade, no Centro de Curitiba. O prédio histórico, construído nos anos 1880, foi a primeira sede do Governo Estadual e, em 2003, foi doado ao Estado pela União para abrigar o MIS-PR. 

O imóvel, porém, ainda divide o espaço entre o acervo audiovisual e fonográfico do Estado e a custódia de pessoas presas em flagrante. Parte dele, uma área de 600 metros quadrados, já retomou ao museu e abriga parte do acervo de 3 milhões de itens do MIS-PR. Assim que toda a estrutura for desocupada pela Polícia Civil, o equipamento cultural terá uma área de 4.025 metros quadrados para uso exclusivo. Além do espaço da triagem, a SESP irá ceder 1.360 metros quadrados que não pertenciam ao terreno original do Palácio da Liberdade e que serão gradualmente integrados.

Mapa da área que será integrada ao MIS
A área azul é o terreno atual do MIS-PR. Em amarelo a já incorporada. Em vermelho a que será gradativamente devolvida para os cuidados da cultura.


“É um grande ganho para a cultura e para a segurança pública do Paraná. Esse projeto dá liberdade para um espaço como o Palácio da Liberdade e tudo o que ele representa para a cultura, resgatando todo o trabalho que é feito pelo MIS-PR”, disse o governador. “Não havia justificativa para o Palácio da Liberdade ser um espaço de prisão, um prédio histórico e simbólico, importante para a cultura e para a história do Paraná.”

Presente na solenidade, a superintendente-geral da cultura, Luciana Casagrande Pereira, comentou que “é uma oportunidade da Cultura ocupar uma área tão importante e simbólica do Paraná”, disse em referência ao fato de o Palácio da Liberdade ter sido a primeira sede do Governo do Estado. “O acervo, que tem uma importância única no país, precisa ser melhor alocado e agora poderá ser”, completou.

Memória
O Museu da Imagem e do Som do Paraná é o segundo mais antigo do tipo no Brasil e tem como principal finalidade preservar, conservar e divulgar a memória audiovisual do Estado. 
Criado em fevereiro de 1969, possui o maior acervo do gênero no País, com mais de 3 milhões de itens, entre discos de vinil, fotografias, negativos fotográficos de acetato e em suporte de base de vidro, depoimentos, fitas de áudio, fitas cassete, documentos e filmes (em 8mm, 16mm e 35mm, VHS e DVD).

Também conta com mais de cem equipamentos como rádios, radiolas, moviolas, câmeras fotográficas e projetores, e com uma biblioteca com mais de 2 mil itens, como livros e periódicos sobre cinema, fotografia, memória e áreas relacionadas. O espaço também deve receber 35 mil discos e CDs da Rádio Educativa do Paraná, incluindo vários materiais de músicos paranaenses. É o segundo maior acervo fonográfico do Estado, atrás apenas do próprio MIS-PR.

Da área total de mais de 4 mil metros quadrados do Palácio da Liberdade, o MIS-PR ocupava, até há algum tempo, mil metros quadrados. Com a entrega de parte da área ocupada pela Polícia Civil, já conta com 1,6 mil metros quadrados disponíveis. “É um dos maiores acervos audiovisuais da América Latina, e precisa de um espaço adequado para a sua conservação”, destacou a diretora do MIS-PR, Mirele Camargo. 

Para o secretário estadual da Comunicação Social e da Cultura, João Debiasi, a retomada do espaço para preservar esse acervo vem em um momento de descentralização e democratização do acesso à cultura no Paraná.

“Além de projetos que envolvem a circulação dos corpos culturais pelo Estado, duas iniciativas estruturais da área se destacam, que é a devolução do Canal da Música, que é mais um equipamento para população e para o setor artístico, e agora a ampliação do acervo do MIS-PR e a retomada do Palácio da Liberdade ao ambiente cultural”, disse Debiasi.

Presenças
Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Jr.
Juíza Fabiane Pieruccini, representando a presidência do TJ-PR
Secretário de Estado da Segurança Pública, Wagner Mesquita de Oliveira
Delegado-geral da Polícia Civil, Silvio Jacob Rockembach Casa Civil
Secretário da Comunicação e da Cultura, João Debiasi
Superintendente-geral de Cultura, Luciana Casagrande Pereira
Diretora do MIS-PR, Mirele Camargo
 

GALERIA DE IMAGENS