Quem foi Romário Martins, o “Príncipe dos jornalistas do Paraná” que foi diretor do MUPA
02/05/2022 - 17:02

Para dar início às postagens do mês de maio começaremos falando um pouco sobre Romário Martins, apresentando quem foi essa figura importante para a história de Curitiba e do Estado do Paraná, além de explicar por que sua história e o seu legado merecem ser contados até os dias de hoje. A história de Romário Martins será divida em duas partes, sendo que esta primeira publicação contará seu percurso profissional e político, além de algumas de suas realizações em vida. Já a segunda parte abordará mais a fundo seu legado, a história de sua casa, que se tornou museu, e o entorno do centro histórico de Curitiba.

Alfredo Romário Martins foi um historiador, jornalista e político paranaense. Nasceu em Curitiba, em 8 de dezembro de 1874, filho da paulista Florência Severina Ferreira Martins e do carioca tenente-coronel José Antônio Martins. Seu pai foi administrador do Correio Geral do Paraná e, antecipando a carreira do filho, entusiasta do Museu Paranaense (MUPA), instituição para qual doou livros, coleções de selos e pássaros empalhados. Romário era o único filho do casal, mas tinha meio-irmãos dos casamentos anteriores de seus pais, que eram viúvos.

De sua infância se sabe muito pouco, sendo que um dos raros fatos conhecidos dessa fase foi o falecimento de seu pai, quando Martins tinha apenas dez anos de idade. A partir de então, foi sua mãe que, com dificuldades, conseguiu o manter na escola, no Collegio Curitybano, que teve como fundador e diretor Nivaldo Braga. Em seu tempo estudando na instituição teve colegas que seriam notórios, como Ermelino Agostinho de Leão, Júlia Wanderley, João Perneta e Artur Martins Franco. Porém, teve de deixar os estudos para começar a trabalhar, o que fez com que não seguisse em cursos superiores em outros estados do país, como alguns de seus contemporâneos de instituição.

Alfredo Romário Martins pintado por Alfredo Andersen

Alfredo Romário Martins pintado por Alfredo Andersen. Fonte: Livro “Personagens da História do Paraná”, pág. 106

 

Após parar seus estudos, em 1889, então com 15 anos, iniciou seu trabalho como aprendiz de tipógrafo nas oficinas do Jornal Dezenove de Dezembro e no mesmo ano auxiliou nas oficinas do jornal A República, em um período conturbado e importante da história do Brasil, com a Proclamação da República. Sendo assim, o início de sua formação profissional ocorreu dentro dos jornais, em sua atuação no dia a dia.

Romário Martins trabalhou em jornais como o Quinze de Novembro, Diário do Commercio, Folha Nova, A Federação e na Companhia Impressora Paranaense. Ao longo de sua carreira profissional passou das oficinas de tipografia para a redação, como jornalista e, mais tarde, por muitos anos ocupou a chefia de redação do jornal A República, cargo que o deu oportunidade de difundir suas ideias e mostrar o pensamento cultural paranaense no qual acreditava. Martins, além de redator-chefe d’A República, colaborou em muitos outros jornais do período, escrevendo um grande número de artigos. Em alguns costumava adotar diferentes pseudônimos, o que fez com que ganhasse o título de “Príncipe dos Jornalistas do Paraná”.

Posteriormente, em 1892, Romário Martins iniciou no serviço público, sendo admitido como colaborador na Superintendência do Ensino Público, ficando responsável pela organização do arquivo do local. A repartição tinha como superintendente Vicente Machado, figura pública e política influente do período. Em 1896, após ter passado em concurso, se tornou funcionário da Secretaria de Obras Públicas e Colonização e, em 1900, foi nomeado como Superintendente do Ensino Público.

Comissão do Estado do Paraná na Exposição Nacional de 1908, em frente aos objetos de madeira expostos na Seção Paranaense. Aparecem, da esquerda para a direita: Jayme Drumond dos Reis, Brazilino Moura, Antonio Augusto de Carvalho Chaves, Paulo d’Assumpção e Romário Martins.

Comissão do Estado do Paraná na Exposição Nacional de 1908, em frente aos objetos de madeira expostos na Seção Paranaense. Aparecem, da esquerda para a direita: Jayme Drumond dos Reis, Brazilino Moura, Antonio Augusto de Carvalho Chaves, Paulo d’Assumpção e Romário Martins. 
Fonte: Livro "O Museu Paranaense e Romário Martins" p. 157

Em 1903, indicado por Vicente Machado, candidatou-se e foi eleito deputado estadual, cargo no qual permaneceu durante dez legislaturas entre os anos de 1904 e 1928. Também foi vereador e presidente da Câmara Municipal de Curitiba, chegando a ocupar interinamente o cargo de prefeito, em 1905.

Durante sua carreira de deputado elaborou algumas leis importantes, como: a criação da bandeira e do brasão do estado do Paraná; a criação do brasão e das armas da cidade de Curitiba; o controle do corte de madeiras e estabelecimento do reflorestamento para proteção da flora e fauna paranaenses; a criação da Escola de Agronomia do Paraná; a proposta da data de 29 de março de 1963 para o aniversário da cidade de Curitiba; a criação do Boletim do Arquivo Municipal; a obrigatoriedade de numeração dos domicílios e a proibição das brigas de galo.

Martins foi eleito sócio-correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e de outros institutos regionais, como o de São Paulo, Bahia, Santos, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. A partir disso, em 24 de maio de 1900, propôs a fundação do Instituto Histórico e Geográfico Paranaense, tendo sido membro e incentivador da instituição por muitos anos. Para a fundação do Instituto, Romário Martins convocou pessoas de seu círculo de amizades interessadas no Paraná, pela sua história e seu desenvolvimento, como Sebastião Paraná, Dario Velloso, Emiliano Perneta, Cândido de Abreu, Julio Pernetta, Ermelino de Leão, entre outros.


Também esteve entre os intelectuais que idealizaram o Paranismo, movimento que pretendia conferir uma identidade ao Estado. Para ele, “paranista é todo aquele que tem pelo Paraná uma afeição sincera, e que notavelmente a demonstra em qualquer manifestação de atividade digna e útil à coletividade paranaense”. 

Em 1902, por decreto de 25 de abril, Romário Martins foi nomeado para o cargo de diretor do Museu Paranaense, pelo então presidente do Estado do Paraná, Francisco Xavier da Silva. Martins tinha 27 anos quando assumiu a direção do museu, após uma breve gestão de Ermelino Agostinho de Leão Júnior, filho do desembargador Agostinho Ermelino de Leão, o último dos fundadores e primeiro diretor da instituição, que permaneceu por mais de 18 anos no cargo. Já contamos um pouco mais sobre a família Leão e sua importância para a erva-mate e a história do Paraná. Para ler a história clique aqui.

Romário Martins permaneceu durante 26 anos na direção do Museu Paranaense, até 28 de fevereiro de 1928, quando foi designado diretor do Departamento de Agricultura do Estado. Martins foi o diretor que por mais tempo assumiu a tarefa de dirigir o museu, logo após os fundadores dessa instituição. Depois da instalação do museu, no século XIX, foi ele o responsável pelo início do desenvolvimento da instituição, visando trazer um caráter mais científico à instituição.

Martins escreveu um dos clássicos da historiografia paranaense, o livro “História do Paraná”, que foi lançado em três edições (1899, 1937, 1995). Deixou um grande legado escrito, além de mudanças na estrutura político-cultural do Estado e a demonstração durante toda sua trajetória de vida, sobre seu apreço por Curitiba e pelo Paraná. Romário Martins faleceu aos 74 anos, no dia 10 de setembro de 1948, em Curitiba.

A Câmara Municipal de Curitiba, partindo do projeto Nossa Memória tem em seu canal no YouTube um vídeo chamado “Nossa Memória | Quem foi Romário Martins?” postado em 2018,  que percorre a história dessa figura importante para o Estado do Paraná. Para assistir clique aqui.

Este texto foi produzido pela residente técnica e historiadora Mariana Mayumi Abe Oliveira, e revisado pela museóloga Raisa Ramoni Rosa.

Referências:

CARNEIRO, Cíntia Braga. O Museu Paranaense e Romário Martins: a busca de uma identidade para o Paraná. Secretaria de Estado da Cultura. Sociedade de Amigos do Museu Paranaense – SAMP. Curitiba, 2013. Disponível em: https://www.museuparanaense.pr.gov.br/sites/mupa/arquivos_restritos/files/documento/2020-09/ebook_museu_paranaense_e_romario_martins.pdf.

CARNEIRO, Cíntia Braga. Personagens da História do Paraná: acervo do Museu Paranaense. Secretaria de Estado da Cultura. Sociedade de Amigos do Museu Paranaense - SAMP. Curitiba, 2014. Disponível em:
https://www.museuparanaense.pr.gov.br/sites/mupa/arquivos_restritos/files/documento/2020-09/personagens_da_historia_do_parana.pdf.

IURKIV, José Erondy. Romário Martins e a Historiografia Paranaense. Educere - Revista da Educação da UNIPAR, v. 2, n. 2. 2002. Disponível em: https://revistas.unipar.br/index.php/educere/article/view/842.

MARTINS, João Cândido. Câmara Municipal de Curitiba. Romário Martins: político, guardião da história e líder do paranismo. Curitiba, 2018. Disponível em: https://www.curitiba.pr.leg.br/informacao/noticias/romario-martins-politico-guardiao-da-historia-e-lider-do-paranismo.

GALERIA DE IMAGENS