O 1º de maio e os trabalhadores da cultura
29/04/2022 - 14:54

No dia 1º de maio é comemorado o Dia do Trabalhador em vários países do mundo. Para discutirmos a importância deste dia, trazemos uma breve reflexão a respeito do papel dos trabalhadores da cultura no Paraná.

Tudo começou há exatos 136 anos, por conta de uma reivindicação da classe trabalhadora na cidade de Chicago, nos Estados Unidos. A manifestação foi duramente reprimida pela polícia, resultando em vários mortos e feridos que lutavam por condições mais dignas de trabalho, como a redução da carga horária de 13 para 8 horas diárias e a abolição do trabalho infantil. Esse episódio tomou proporções mundiais, acarretando em manifestações posteriores na Europa.

No Brasil, a data foi oficializada durante o governo de Artur Bernardes, em 1924, sob forte influência dos trabalhadores estrangeiros, que vinham reivindicando os seus direitos desde a primeira década do século XX. Adiante, já na década de 30, no governo de Getúlio Vargas, a data passou a ser utilizada para anunciar os benefícios instituídos aos trabalhadores. Desde então, o feriado passou a simbolizar a luta pelos direitos trabalhistas, com programações diversas pelo país e com folga estabelecida por lei.

Atualmente, ainda que possamos – e devamos – reconhecer todas as conquistas dos trabalhadores, se faz necessário continuar rememorando o cerne do significado do 1º de maio. Todos os direitos conquistados requerem manutenção contínua e um olhar sensível, que acolha a diversidade necessária para garantir uma condição digna para todas as áreas, de acordo com suas particularidades.

No que se refere aos trabalhadores da cultura, os dilemas são múltiplos e perpassam questões estruturais e práticas: desde a falta de conscientização da população, que não vê a importância da cultura para a sociedade, ao passo de que a consome diariamente em diversos formatos –  o que remete também à problemática da elitização do que se entende por arte/cultura – bem como todos os embargos estruturais que culminam na desvalorização da área, ainda que esta seja um dos pilares de sustentação social, juntamente com a saúde e a educação. 

Durante a pandemia, a situação se agravou ainda mais, por consequência da impossibilidade de realizar eventos culturais da forma que se fazia anteriormente. Por isso, medidas emergenciais foram estabelecidas, como a criação da primeira Agência do Trabalhador da Cultura no país, além da audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa do Paraná, através do projeto de lei 168/2021 visando estabelecer diretrizes que instituam a distribuição de auxílio emergencial aos trabalhadores da cultura intitulado Bolsa Cultura Paraná. Não obstante, a classe trabalhadora também pode usufruir a Lei Aldir Blanc por meio do programa Bolsa Cultural Paraná Criativo.

É importante salientar que a crise do setor cultural não é fruto da pandemia, mas se intensificou justamente por ser uma das primeiras a paralisar os trabalhos, e uma das últimas a se restabelecer. Ademais, a trajetória como um todo se deu sob muitas dificuldades de reconhecimento e condições de angariar fundos necessários para ser executada de maneira mais abrangente e efetiva, alcançando em totalidade todos os grupos sociais de maneira eficaz. É de extrema importância que a população se conscientize da importância da arte e da cultura na construção de uma sociedade mais justa e plural e, em conjunto com os órgãos competentes, participe da construção de uma base sólida para que os trabalhadores da cultura possam continuar desempenhando os seus trabalhos e, acima de tudo, em condições dignas. O resultado a nível social que a cultura pode entregar para a sociedade contribui intensamente para o progresso como um todo, impactando diretamente diversas áreas de desenvolvimento, atuando como um agente fundamental para o enriquecimento intelectual de todos os indivíduos – de todas as faixas etárias e classes sociais.

Este texto foi elaborado e produzido pela residente técnica e historiadora Francine Gehring Martinez, e revisado pela museóloga Raisa Ramoni Rosa.

Referências bibliográficas:
https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/FatosImagens/PrimeiroMaio
https://www.justica.pr.gov.br/Noticia/Governo-do-Parana-lanca-primeira-Agencia-do-Trabalhador-da-Cultura-do-pais